Cabeçalho

Logotipo

sábado, 11 de outubro de 2014

Exclusivo! Ser treinador de Futebol no Brasil – Com Eduardo Allax

Esta semana batemos um papo bem legal com o Ex- Goleiro e atualmente Treinador de Futebol – Eduardo Allax.  
Eduardo jogou em grandes Clubes no Brasil como: Grêmio e Atlético Mineiro. Notabilizou-se por sua raça como atleta e também por fazer gols em momentos difíceis das partidas, foi assim pelo Bangu-RJ e Atlético Mineiro, onde por sinal é ídolo nos dois Clubes.
Atualmente se dedica a Carreira de Treinador Profissional com algumas passagens vitoriosas como o Título da Copa Rio em 2013 pelo Duque de Caxias, além do 5º lugar no Carioca 2013 pelo Resende sendo inclusive eleito o 2º melhor Treinador do Campeonato. Este ano treinou o Gama–DF no Candangão. 
 
Conversamos sobre sua trajetória no Esporte e as dificuldades nesta transição. Leia a entrevista abaixo:
FutGestão: Como foi a transição dos gramados para a Carreira de treinador? Tem diferença?
Eduardo Allax: Tem sim, bastante. A maior diferença é que aqui no Brasil o treinador de Clubes de menor investimento tem que cuidar do grupo para que não haja indisciplina, armar o time para os jogos, organizar viagens, interagir com a categoria de base, além de saber administrar os interesses principalmente de investidores, que por sinal é o que mais encontro dificuldade. Já como atleta a minha preocupação era somente treinar e estar preparado para os jogos.
FutGestão:  Como foi a preparação?
EA: Assim que parei em 2011 no Figueirense iniciei um estágio com o Jorginho, logo em seguida fui para o Santos fazer um estágio com o Muricy Ramalho e terminei essa fase com o Abel Braga e o Waldemar Lemos. Após este período conclui o Curso da ABTF e de Ciência do Futebol na FFERJ. Foi quando surgiu a oportunidade de assumir o Duque de Caxias no mesmo ano.
FutGestão:   Em 2013 você foi eleito o segundo melhor treinador do Campeonato Carioca. Essa preparação foi o diferencial para esse resultado?
EA: Com certeza, tive todo o cuidado de me preparar antes e isso fez toda a diferença.
FutGestão:   Uma das coisas que tem-se falado ultimamente é a falta de reciclagem por parte dos treinadores. Apesar de muito jovem, você já tem feito esse exercício de se reciclar? Como?
EA: Na verdade ainda não cheguei na fase de me reciclar pois ainda estou em inicio de carreira e tenho me dedicado bastante a estudar o futebol de maneira geral e assistir jogos também. Portanto ainda não entrei no processo de reciclagem, acho que ainda estou matéria-prima (risos).
FutGestão:   Atualmente você está sem Clube. A que se deve esse fato na sua opinião? Um treinador Jovem que vem apresentando bons resultados na Profissão e ainda sim sem Clube.
EA: O mercado ele é muito competitivo e um pouco injusto. Um treinador sem empresário, que é o meu caso, fica em uma situação bem complicada para conseguir um boa oportunidade de trabalho.
FutGestão:   O que você acha que o futebol e os profissionais brasileiro precisam evoluir em termos de gestão técnica comparado aos Europeus?
EA: Percebo que no atual momento do futebol não existe a preparação para se tornar treinador. Precisamos entender que ser treinador é uma profissão, e como todas, requer estudo e preparação para exercê-la.
FutGestão:   Quais os objetivos do Eduardo na carreira como Treinador?
EA: Quero muito já estar trabalhando no inicio de 2015 e principalmente conquistar um titulo estadual, esse é meu objetivo no momento.
FutGestão:   Para finalizar, mande um recado para todos os leitores do FutGestão que admiram seu trabalho.
EA: Agradeço ao FutGestão pela oportunidade, ao amigo Ruany Veríssimo.  É sempre bom poder expor um pouco do nosso trabalho desta forma e espero encontrar com vocês pelos fóruns do futebol aqui Brasil, para debatermos estes assuntos.

Desejamos ao Eduardo muito sucesso nessa promissora carreira de treinador e agradecemos demais pela parceria que tem tido com o nosso Projeto.
Saudações,
Ruany Veríssimo

0 comentários :

Postar um comentário