Cabeçalho

Logotipo

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

“Vamos ajudar clubes e atletas”, diz CEO do Panela FC, a bolsa de valores do futebol

Ferramenta foi lançada na semana passada mantendo contrato com mais de 20 times brasileiros e cinco portugueses, entre eles o Porto


Imagine uma bolsa de valores onde as ações correspondem a uma fatia dos direitos econômicos de jogadores e os acionistas são os torcedores. É o que acontece no Panela FC, que chegou ao mercado brasileiro na semana passada mantendo contrato com mais de 20 times brasileiros e cinco portugueses, entre eles o Porto.
Idealizador e CEO da ferramenta, o empresário Diego Fernandes se interessa pelo mercado de ações desde jovem e já trabalhou na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Nesta entrevista exclusiva ao L!Bizz, ele fala das estratégias de atuação do Panela FC e a expectativa de movimentar R$ 50 milhões em valor de jogadores já neste primeiro mês.
Como surgiu a ideia do Panela FC?
Há alguns anos, eu já tinha montado uma empresa para gerir a carreira de atletas. Depois eu pensei em abrir esse mercado de atletas para os torcedores, pois é um segmento muito exclusivo, fechado. A ideia de criar o Panela FC teve início em 2012 e hoje já é uma realidade
A empresa se enquadra à nova determinação da Fifa, que não permitirá que empresários e fundos de investimentos sejam donos dos direitos econômicos dos jogadores?
Desde o início do projeto essa medida da Fifa já era comentada no mercado e sabíamos que ela poderia ocorrer a qualquer momento. E o Panela FC foi criado pensando nisso. Tanto que a parcela negociada com os clubes é de até 20% dos direitos e cada torcedor poderá adquirir cotas de no máximo R$ 5 mil. Dessa forma não tem como um torcedor ou empresa virar dono dos direitos de um atleta.
Qual a estratégia de atuação do Panela FC neste momento?
Estamos buscando acordos com times de menor porte neste momento, pois os jogadores destes times têm maior potencial para se valorizar. Já temos acordos com 22 clubes no Brasil, como Sampaio Corrêa, Icasa, Grêmio Barueri, Remo e América-RN, além de cinco times de Portugal, como o Porto. Essa estratégia foi pensada em casos como o do Rivaldo, que surgiu em um clube pequeno e se tornou um craque, jogando em grandes clubes da Europa e conquistando uma Copa do Mundo.
Você acha que essa é uma ferramenta que pode ajudar os clubes financeiramente?
Creio que sim. O Panela FC foi feita para o torcedor mas ele poderá ajudar o seu clube investindo nos jogadores do time. Dessa forma, grande partes desses clubes está em situação financeira ruim e essa ferramenta poderá ajudá-los a manter um atleta por mais tempo. È essa a ideia que queremos passar do negócio.
Vocês pretendem ampliar o modo de negociação dentro do Panela FC. Como isso irá funcionar?
Nos próximos meses vamos ampliar nossa ferramenta e os torcedores poderão não só adquirir parte dos direitos econômicos de atletas junto aos clubes como também realizar transações entre eles. Dessa forma, o dono da cota colocará o preço que ele quiser e esse valor irá variar de acordo com o desempenho atual do jogador no campeonato. Apesar de ser valores reais, a ferramenta funciona como uma brincadeira, um entretenimento.
Qual a estimativa que você faz em valor para o Panela FC?
Nossa expectativa é fechar o primeiro mês da ferramenta movimentando R$ 50 milhões em valores correspondente aos direitos econômicos de jogadores. São 30 milhões de usuários na Internet atualmente no Brasil e teremos uma grande divulgação por conta com Ronaldinho Gaúcho como nosso garoto-propaganda. Além disso, vamos explorar as redes sociais dos clubes parceiros e ter um contato direto com seus torcedores.
Quais os ganhos para o mercado do futebol com essa ferramenta?
Os clubes ganham em participação de receita com a venda de parte dos direitos econômicos de seus jogadores. E o atleta ganhará como um fundo de pensão, onde será destinado 10% do valor movimentado por ele no Panela FC. Essa é uma forma de ajudar os atletas pois eles têm uma carreira muito curta e ganham muito dinheiro nesse pouco tempo. E a grande maioria não tem uma educação financeira para tornar isso rentável para o resto da vida e esse fundo é uma forma de ajudá-los.

Leia mais no LANCENET!
http://www.lancenet.com.br/minuto/Vamos-atletas-CEO-Panela-FC_0_1229277135.html#ixzz3G3W3Vpbo
© 1997-2014 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE!

0 comentários :

Postar um comentário