Cabeçalho

Logotipo

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Exclusivo: FutGestão faz o seguinte questionamento - Onde está o diferencial do Mercado Esportivo?

Por Eduardo Barroca

O mercado esportivo está cada dia mais competitivo, com o aumento da demanda de novos cursos e uma maior socialização dos conhecimentos específicos pela internet os profissionais estão tendo uma grande dificuldade para ter um diferencial de mercado. Mas o que fazer com esta realidade?
Falando do futebol especificamente, o mercado é extremamente seletivo, mas, ao mesmo tempo receptivo e aberto para quem ainda apresenta algo diferente. Na minha visão os dirigentes estão sedentos para consumir a equação Performance, Entrega e Custo/Benefício bom. Nós, profissionais do futebol devemos estar cada vez mais antenados neste “gap”. Quem já está dentro de algum clube precisa ficar muito atento a isto, pois, a oferta e qualidade de profissionais que estão buscando um espaço no mercado são cada dia maior, quem ainda não está colocado no mercado precisa se preparar em dobro, este é melhor momento para se qualificar.
Vamos aos exemplos práticos: um profissional que está em busca de um espaço neste momento precisa em primeiro lugar, se organizar. Montar metas diárias, semanais e quinzenais as metas curtas criam um maior compromisso com a sua capacitação. Um profissional da área técnica, por exemplo, pode neste período estudar novos treinos pela internet, montar uma programação para observar treinos “in loco”, criar um banco de dados de atletas, melhorar a fluência em uma segunda língua, fazer um grupo de estudos com outros profissionais, ampliar a sua rede de contatos, criar um novo projeto entre outras coisas, tudo isto em uma semana, neste mesmo período, em condições normais, um profissional da área técnica que está trabalhando em algum clube não teria a mesma disponibilidade de tempo para se desenvolver desta forma.
O segundo exemplo é do profissional que está trabalhando em algum clube e que tem o dever de aproveitar esta oportunidade para organizar o seu trabalho com excelência, montar planilhas de controle de cargas, criar um banco de imagens do seu próprio trabalho, estudar e se desenvolver na ciência do relacionamento humano, documentar todas as ações até para, no momento de transição entre um clube e outro, poder ter um real “feedback” do que foi feito e do que precisa desenvolver. Tudo isso exige uma grande entrega de tempo além das funções básicas de cada área e é aí que está o diferencial que falamos acima. Aproveitar este tempo a mais para se tornar um profissional mais qualificado vale a pena?
Vamos imaginar o seguinte caso: você é chamado para uma entrevista do emprego dos seus sonhos. Você está concorrendo com mais 4 pessoas, ou seja, sua chance é de 20%, o vencedor terá uma ótima remuneração, as melhores condições de trabalho e uma grande oportunidade de se sedimentar no mercado de maneira definitiva. O Dirigente do clube começa falando que gostaria que você falasse sobre o seu próprio trabalho. O que você faria? Falaria sobre si próprio ou tiraria o seu tablet da bolsa e mostraria para ele como você desenvolveu o seu trabalho nos últimos anos, mostraria suas planilhas de controle de cargas, mostraria os vídeos de seus treinamentos, mostraria como você analisa os adversários, como é sua preleção, quais são seus bancos de dados, como monitora atletas de outras equipes e por aí vai.
Faço algumas perguntas: Suas chances aumentaram de 20%? Como você acha que o Dirigente do clube recebeu esta sua ação? Será que você causou surpresa nele? Vamos imaginar que os demais candidatos entregaram apenas o seu Currículo e responderam perguntas feitas pelo Dirigente, você está na frente neste processo seletivo?
O nosso “Padrão Seleção” deve acontecer todos os dias em cada um das nossas ações para que o sonho se torne realidade, não podemos esperar sermos convocados para depois termos o “Padrão Seleção”. O grande diferencial de mercado na minha visão está aí, a busca por uma capacitação constante, um real diagnóstico do que os clubes e os profissionais que os dirigem realmente precisam: um trabalho organizado, atitudes pró-ativas, ampliação de conhecimento e socialização deste conhecimento com os demais membros faz toda a diferença. Você acaba criando uma dependência “invisível” do seu trabalho, portanto, há tempo e espaço para novas oportunidades, basta ter um olhar diferente.
 
Eduardo Barroca
 

Um comentário :

  1. Muito bom.
    Nosso sucesso, geralmente, dependerá apenas de nós. Independente da área, pessoal, profissional, etc.
    Parabéns e obrigado Eduardo Barroca.

    ResponderExcluir