Cabeçalho

Logotipo

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

COM “WATCH”, FACEBOOK DECLARA ‘GUERRA’ AO YOUTUBE E ESPORTE SERÁ IMPACTADO

Nova plataforma de vídeo lançada por Mark Zuckerberg promete concorrer também com Netflix


O conteúdo em vídeo já era tido como a principal tendência do digital para 2017. Os inúmeros esforços das principais redes sociais neste sentido apenas ratificaram a aposta do mercado. Netflix cresce em usuários e conteúdo original; a Amazon rivaliza cada dia mais com o Twitter pelo streaming das principais ligas; já o Facebook trabalha ativamente para ser o principal concorrente do YouTube (e da YouTube TV) pelo material audiovisual. Ainda que todos rivalizem entre si, está muito claro o foco de cada uma delas e qual outro player que está na mira.

Fruto de sua positiva experiência com o Live, hoje a rede de Mark Zuckerberg apresentou o “Watch“, uma plataforma de vídeo que oferecerá uma programação exclusiva e que estará disponível inicialmente apenas nos Estados Unidos. Contemplando todos os gostos, entre esportes, reality shows e documentários, o Facebookdisponibilizará vários filtros para que os usuários possam acompanhar e assistir aquilo que realmente os interessam. Embarcando no social, os conteúdos também estarão organizados de acordo com o que os amigos e fan pages estão vendo/compartilhando.

Neste período inicial do “Watch”, os vídeos serão oferecidos apenas por grandes veículos de mídia (como Vox MediaBuzzFeedGroup Nine Media, entre outros) e principais anunciantes da empresa. O ponto principal na concorrência com o YouTube está na novidade de que agora haverá geração de receita: a rede ficará com 55% do faturamento obtido pelo criador.


Para a nossa indústria, como estará restrito ao mercado norte-americano no curto prazo, partidas de baseball, basquete (WNBA), futebol-americano e programas de debate esportivos estarão disponíveis na programação. Ainda que Zuckerberg já tenha afirmado que não tem interesse em adquirir direitos das ligas diretamente, prefere o fazer através de parcerias com emissoras (Univision e Fox Sports), não será incomum caso ele invista em algum ativo do setor para fortalecer sua plataforma.

Com o “Watch”, certamente aumentarão as ofertas para ligas e federações comercializarem seus direitos de transmissão para plataformas digitais e, dada a concorrência entre as redes, obtendo números cada vez maiores de broadcasting. Resta saber, portanto, qual oferecerá a melhor entrega e fará com que o usuário permaneça a maior parte do tempo engajado. Afinal, este sim é o maior interesse dos anunciantes que pagarão elevadas cifras por um espaço no streaming.

Fonte: MKT Esportivo

0 comentários :

Postar um comentário