Cabeçalho

Logotipo

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Santos doará parte da renda de jogos para ONG africana


Mote da campanha é o fato de o clube já ter “parado uma guerra” no continente



Uma foto de um menino em Moçambique, na África, com uma bola embaixo do braço e vestindo a camisa do Santos ganhou as redes sociais durante a Copa do Mundo. E serviu de ponto de partida para que o clube paulista anunciasse uma parceria com a ONG Missão África, que auxilia famílias que vivem em condições de extrema pobreza dentro do continente africano e que foi responsável, numa missão em Moçambique, pelo clique do menino João Chico.
Nesta quinta-feira (19), quando o Santos volta a jogar pelo Campeonato Brasileiro Assaí, contra o Palmeiras, além de ter a marca da ONG no ombro da camisa do time, será doado R$ 1 a cada ingresso vendido para a partida. 
A ação foi anunciada pelo clube em suas redes sociais e rapidamente foi reproduzida pelos jogadores do elenco, gerando uma enorme repercussão e engajamento dos torcedores, que também foram incentivados a fazer doações para a ONG.
“A foto do menino africano com a camisa do Santos tocou a todos. Idealizamos uma ação que fosse efetiva em prol do trabalho da ONG Missão África que, além de darmos visibilidade à causa em dois grandes confrontos, mobilizasse a torcida para que tenhamos a maior doação financeira possível. Em um continente tão simbólico e importante em nossa gloriosa história, tínhamos a obrigação de valorizar este grande gesto”, disse, em comunicado, José Carlos Peres, presidente do clube.
Com o mote “Se paramos uma guerra na África, por que não ajudarmos nessa luta?”, a campanha será estendida também para o duelo contra o Flamengo.
Em 1969, o Santos foi disputar um amistoso na Nigéria, que vivia uma guerra civil. Por conta da presença de Pelé e dos atletas santistas, o tenente coronel Samuel Ogbemudia decretou feriado no dia da partida e, também, permitiu que qualquer cidadão pudesse ter acesso ao jogo, contra uma seleção do meio-oeste africano. Esse caso ficou conhecido como “o dia em que o Santos parou uma guerra”.
“Com as ações em dois grandes jogos, pretendemos colaborar com exposição da marca e incentivos financeiros para que suas ações no continente africano sejam fortalecidas, sempre traçando um paralelo importante com a força da nossa torcida presente no estádio”, afirmou Marcelo Frazão, executivo de marketing do Santos.
Fonte: Máquina do Esporte


0 comentários :

Postar um comentário